Lavits_Covid19_ #1: No tempo da catástrofe, capitalismo de vigilância avança sobre a educação no Brasil

(de http://lavits.org/no-tempo-da-catastrofe-capitalismo-de-vigilancia-avanca-sobre-a-educacao-no-brasil)

Fabiana Oliveira

A despeito das políticas de Estado implementadas no mundo todo para conter a pandemia do Covid-19 e dos esforços coletivos para achatar a curva de contaminação no Brasil, na terça-feira (24) o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez um pronunciamento oficial que desincentivou o isolamento social e banalizou as projeções da mortalidade por coronavírus no país. Entretanto, de acordo com a própria Agência Brasileira de Inteligência (Abin), podem ser 5.571 mortes até o dia 6 de abril.

Nas redes digitais o discurso foi apontado como ausência de sanidade ou de inteligência do mandatário. Embora seja difícil definir precisamente quais motivações alimentam o negacionismo do atual governo sobre a gravidade da pandemia, que já matou mais de 8 mil pessoas na Itália, por exemplo, é possível estabelecer conexões entre a negação como aposta política e os interesses do mercado financeiro e das grandes corporações, inclusive as de tecnologia.

As grandes corporações, especificamente, encontram no terreno arrasado – material e simbolicamente – um solo fértil para velhos e novos modos de forjar “alternativas infernais”, ou seja, para “a morte da escolha política, do direito de pensar coletivamente o futuro”, como define a filósofa da ciência Isabelle Stengers. É o caso das plataformas tecnológicas que oferecem Educação à Distância (EaD) para escolas e universidades.

Um mapeamento inédito, realizado por dois núcleos de pesquisa da Universidade Federal do Pará (UFPA) e pela Iniciativa Educação Aberta (Cátedra UNESCO de EaD sediada na Universidade de Brasília e Instituto Educadigital) revela que 65% das universidades públicas e secretarias estaduais de educação estão expostas ao chamado “capitalismo de vigilância”.

O início da exposição não data de 2020, no contexto da pandemia, mas se acirra nesse período em que as atividades presenciais estão suspensas pelas instituições de ensino. O serviço “eficiente, acessível e gratuito”, das plataformas corporativas, paira como oferta mais que adequada em um momento em que há cortes de gastos generalizados nas universidades públicas e a perspectiva permanente de maximização dos lucros nas entidades privadas, para citar dois contextos em que tais serviços estão sendo incorporados.

O projeto Educação Vigiada, que realizou o mapeamento supracitado, foi lançado por transmissão ao vivo nesta quinta-feira (26) e quer chamar a atenção para as consequências da adoção acrítica e massiva de tais plataformas de tecnologia, quanto às problemáticas nas relações entre esferas públicas e privadas, direitos dos usuários, privacidade, proteção de dados pessoais, entre outras.

Para Tel Amiel, da UnB e coordenador da Cátedra UNESCO em EaD, um dos pesquisadores envolvido no projeto, embora ferramentas como as que são ofertadas pela Google For Education não sejam efetivamente pagas pelas universidades, “há um valor oculto extraído da coleta de nossos dados e metadados”.

Educação Vigiada é parte integrante da pesquisa “Capitalismo de Vigilância e a Educação Pública do Brasil”, que tem a intenção de alertar a sociedade para a falta de transparência nos modelos de aceite de serviços gratuitos oferecidos por essas empresas firmados com instituições e redes de ensino.

Capitalismo de vigilância e naturalização das alternativas infernais

No artigo Infraestruturas, Economia e Política Informacional: o Caso do Google Suite For Education, Henrique Zoqui Martins Parra (membro da Lavits), Leonardo Cruz (membro da Lavits), Tel Amiel e Jorge Machado indicam possíveis efeitos sociopolíticos da adoção de infraestruturas e serviços de tecnologias de comunicação corporativos no ambiente universitário no Brasil.

“Os modernos telefones celulares possuem diversos sensores que mapeiam nosso ambiente e geram informações que são prontamente utilizadas pelo mercado para estabelecer padrões sobre nossos gostos, comportamentos, deslocamentos e hábitos de compra – e, se possível, predizê-los e controlá-los. Portanto, mais do que monitorar, essas informações dão amplos subsídios para que nosso comportamento – econômico, político e social – seja influenciado com diferentes fins”, alertam.

“Quanto vale o gratuito?” é um importante questionamento apresentado no texto, porque a gratuidade é um argumento bastante utilizado para a adoção de serviços/plataformas de grandes corporações como o Google e a Microsoft. As possíveis respostas incluem, de uma perspectiva crítica, refletir sobre o fato de que “(…) a principal fonte de renda da empresa é o marketing customizado para o usuário. Graças à enorme capacidade de coletar, agregar e analisar informações sobre padrões de busca, de navegação, das formas de visualização, deslocamentos, enfim, tudo que fazemos quando estamos conectados através da plataforma Google ou com os sistemas Android em smartphones, a capacidade de coleta de dados torna-se gigantesca”, como apontam os pesquisadores.

“Esse conjunto de acordos reflete a vulnerabilidade especial dos países do Sul frente à expansão do capitalismo de vigilância”, afirma outro membro da Lavits, o antropólogo Rafael Evangelista, do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo da Unicamp. Segundo ele, os gestores públicos dos países mais pobres e em crise são pressionados a reduzirem os investimentos em educação num contexto de reformas neoliberalizantes.

Assim, abdicariam de fortalecer infraestruturas informacionais próprias e fazer investimentos em tecnologias em favor de soluções prontas e aparentemente gratuitas, o que só reforça a assimetria de poder entre o Sul e o Norte Global. Evangelista é autor de uma resenha do livro The Age of Surveillance Capitalism (A Era do Capitalismo de Vigilância), de Shoshana Zuboff, que explora o conceito de capitalismo de vigilância, e que foi publicada na revista Surveillance & Society.

Série Lavits_Covid19

A Lavits_Covid19: Pandemia, tecnologia e capitalismo de vigilância é um exercício de reflexão sobre as respostas tecnológicas, sociais e políticas que vêm sendo dadas à pandemia do novo coronavírus, com especial atenção aos processos de controle e vigilância. Tais respostas levantam problemas que se furtam a saídas simples. A série nos convoca a reinventar ideias, corpos e conexões em tempos de pandemia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *